Parque Municipal da Taquara

(VÍDEO)

O Parque Municipal da Taquara localiza-se em Imbariê, 3º distrito de Duque de Caxias.

Foi criado por lei municipal de nº1157 em 11 de Dezembro de 1992, tendo como base o já extinto artigo 5º do Código Florestal que previa a criação de Parques Nacionais, Estaduais e Municipais, como é o caso da Taquara, e Reservas Biológicas, que conciliassem a proteção de seus espécimes com pesquisas cientificas, objetivos educacionais ou recreativos. Esta reserva de proteção integral é composta por vegetação da Mata¹ Atlântica, com área aproximadamente de 20 hectares, formando um corredor ecológico² com a APA de Petrópolis e a REBIO do Tinguá.

A gestão do Parque é de responsabilidade da Prefeitura Municipal de Duque de Caxias. Pesquisas de catalogação de fauna e flora, iniciaram-se muito recentemente e não foram concluídas. Alguns trabalhos estão sendo desenvolvidos como levantamento de espécies da ictiofauna, anuros e aves. Também foi registrada a presença do mico-leão-dourado.

Mesmo sendo uma área de proteção integral³ ocorre a presença de moradores dentro dos limites do Parque, assim como há o uso do Parque para fins de lazer e recreação devido às cachoeiras lá existentes, e visitas guiadas com escolas da rede pública e terceira-idade.

* Esta unidade de conservação faz parte do Mosaico Central Fluminense.

¹   Em termos gerais, a Mata Atlântica pode ser vista como um mosaico diversificado de ecossistemas, apresentando estruturas e composições florísticas diferenciadas, em função de diferenças de solo, relevo e características climáticas existentes na ampla área de ocorrência desse bioma no Brasil. 

Atualmente, restam cerca de 7,3% de sua cobertura florestal original, tendo sido inclusive identificada como a quinta área mais ameaçada e rica em espécies endêmicas do mundo. Na Mata Atlântica existem 1.361 espécies da fauna brasileira, com 261 espécies de mamíferos, 620 de aves, 200 de répteis e 280 de anfíbios, sendo que 567 espécies só ocorrem nesse bioma. Possui, ainda, cerca de 20 mil espécies de plantas vasculares, das quais 8 mil delas também só ocorrem na Mata Atlântica. Várias espécies da fauna são bem conhecidas pela população, tais como os micos-leão e muriquis, espécies de primatas dos gêneros Leontopithecus e Brachyteles, respectivamente. Vale lembrar que, no sul da Bahia, foi identificada, recentemente, a maior diversidade botânica do mundo para plantas lenhosas, ou seja, foram registradas 454 espécies em um único hectare. 

A exploração da Mata Atlântica vem ocorrendo desde a chegada dos portugueses ao Brasil, cujo interesse primordial era a exploração do pau-brasil. O processo de desmatamento prosseguiu durante os ciclos da cana-de-açúcar, do ouro, da produção de carvão vegetal, da extração de madeira, da plantação de cafezais e pastagens, da produção de papel e celulose, do estabelecimento de assentamentos de colonos, da construção de rodovias e barragens, e de um amplo e intensivo processo de urbanização, com o surgimento das maiores capitais do país, como São Paulo, Rio de Janeiro, e de diversas cidades menores e povoados. 

A sua área atual encontra-se altamente reduzida e fragmentada com seus remanescentes florestais localizados, principalmente, em áreas de difícil acesso. A preservação desses remanescentes vem garantindo a contenção de encostas, propiciando oportunidades para desfrute de exuberantes paisagens e desenvolvimento de atividades voltadas ao ecoturismo, além de servir de abrigo para várias populações tradicionais, incluindo nações indígenas. Além disso, nela estão localizados mananciais hídricos essenciais para abastecimento de cerca de 70% da população brasileira.
Fonte: IBAMA ( www.ibama.gov.br )

²   Corredores ecológicos são obras do engenho humano que têm por objetivo estabelecer ou manter a comunicação da sociobiodiversidade entre diferentes fragmentos florestais e matas nativas remanescentes, protegidos ou não em unidades de conservação, e inscritos em uma mesma microbacia.

Fonte: Brasil, Anna Maria e Santos, Fátima. O ser humano e o meio ambiente de A a Z: dicionário -4 ed.rev e ampl - São Paulo, SP: Brasil Sustentável Editora, 2010.

³   " VI - proteção integral: manutenção dos ecossistemas livres de
alterações causadas por interferência humana, admitido apenas o
uso indireto dos seus atributos naturais;"

Fonte : SNUC