Educação Ambiental no Mundo

      A partir da década de 1960 a reflexão sobre os temas da qualidade de vida, dos modelos de desenvolvimento e de degradação ambiental se articulam numa agenda política de amplitude mundial. Dentro desse contexto, em 1972 a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou em Estocolmo, Suécia, a primeira conferência sobre o ambiente humano. Atendendo a necessidade de estabelecer uma visão global e princípios comuns que servissem de inspiração e orientação à humanidade, para a preservação e melhoria do ambiente onde se habita ; a conferência gerou a declaração do ambiente humano.

       Este conjuntura de rupturas com antigas perspectivas de mundo, a Conferência recomendou que deveria ser estabelecido um programa internacional de Educação Ambiental(EA) visando educar o cidadão comum, para que este manejasse e controlasse seu meio ambiente. A recomendação n°96 da Conferência reconhecia o desenvolvimento da EA como elemento crítico para o combate à crise ambiental. Dentro desse contexto ocorreu na Iugoslávia o encontro Internacional de Educação Ambiental. Ele gerou a carta de Belgrado que propõe princípios e orientações para um programa internacional de educação ambiental. No entanto, é somente em Tbilisi que se determina o rumo da EA em âmbito internacional.

          No ano de 1977, em Tbilisi, Geórgia, Comunidade dos Estados Independentes (CEI), foi organizada pela UNESCO em cooperação com o programa das nações unidas para o meio ambiente (PNUMA) a Primeira Conferência Intergovernamental em Educação Ambiental. A conferência de Tbilisi constituiu-se em um ponto de partida de um programa internacional de educação ambiental contribuindo para precisar a natureza da EA, definindo seus objetivos e suas características, assim como as estratégias pertinentes ao plano nacional e internacional da EA. Dentre os pontos norteadores do programa constam o caráter contínuo, multidisciplinar, integrado às diferenças regionais e voltado aos interesses nacionais. Passado 30 anos, os princípios da conferência de Tbilisi ainda se constituem como fundamentais para elaboração de programas de EA em todo o mundo.

          Em 1992, realizou-se no Rio de Janeiro a Conferência da ONU sobre meio ambiente e Desenvolvimento (RIO-92), com a participação de 170 países. Entre as principais pautas estava examinar a situação ambiental do mundo e as mudanças ocorridas depois da Conferência Estocolmo. Esta Conferência iniciou a elaboração da carta da terra, lançou a agenda 21 e embasou eventos como a conferência de Kyoto no Japão em 1997, que originou o Tratado de Kyoto (2005).

          A Educação Ambiental hoje se apropria das temáticas emergentes dos debates sobre o meio ambiente, como por exemplo, mudanças climáticasa questão da água, a biodiversidade, utilização de energias alternativas, entendendo que estes temas estão vinculados a formação de uma sociedade pautada  na justiça social, na participação democrática de seus rumos. Vivemos a Década da Sustentabilidade.